Google BERT : Seu novo algoritmo de pesquisa

Google BERT : Seu novo algoritmo de pesquisa

O Google anunciou aquela que está sendo considerada sua maior mudança nos últimos cinco anos, desde o lançamento do RankBrain. A novidade é o algoritmo de pesquisa BERT, sigla para Bidirectional Encoder Representations from Transformers. Em resumo, BERT vai ajudar a entender as pesquisas de uma forma mais parecida com os humanos.

No comunicado de lançamento, o VP de Pesquisa do Google, Pandu Nayaka, afirma que aprendizados iniciais do BERT em inglês serão utilizados em outras línguas. O português é citado, como uma das que se beneficiará com isso, principalmente em se tratando de featured snippets. No entanto, ainda não há data para o roll out na inculta e bela.

Continue lendo o post para saber mais alguns detalhes do Google BERT. Por enquanto, apenas as pesquisas em inglês é que verão mudanças no ranqueamento das respostas, mas não custa nada você já ficar por dentro do que vem por aí, em breve, para nós brasileiros.

O que eu tenho que fazer para me adequar ao Google BERT?

Vamos logo para a pergunta que muita gente deve estar se fazendo: o que eu tenho que fazer para me adequar ao BERT? Se você está adotando as boas práticas mais recentes, a resposta é nada. Porque isso quer dizer que seus textos já são voltados para pessoas, ou seja, para uma leitura feita por humanos – e não pensada para agradar robôs.

O fato é que especialistas em SEO modernos já sabem que essa não é, necessariamente, uma separação válida. As evoluções mais recentes do algoritmo do Google têm sido, quase que sem exceção, voltadas para a valorização da experiência de leitura e usabilidade de um site.O BERT parece ser um passo ainda mais decisivo nesse sentido.

De qualquer forma, mesmo que você considere que tem feito tudo direitinho, é bom se preparar para monitorar suas principais páginas, principalmente as Landing Pages. Como dissemos, por enquanto apenas as pesquisas em inglês estão sendo afetadas, mas o Google estima que 10% delas vão apresentar grandes mudanças nas respostas.

Partindo do pressuposto que o inglês vai servir de base para outras línguas, incluindo o português, isso quer dizer que é bom já ir controlando seu tráfego e taxas de conversão.

O que é o Google BERT?

O projeto do BERT foi lançado em 2018, quando o Google introduziu, em código aberto, uma técnica de pré-treinamento de processamento de linguagem natural baseada em redes neurais. Ela se chamava – isso mesmo, você adivinhou – Bidirectional Encoder Representations from Transformers.

Os modelos gerados podiam interpretar o contexto completo de palavras pesquisadas, usando todos os termos. Isso é particularmente útil para entender a intenção por trás da pesquisa. Também pode apresentar resultados de mais qualidade para pesquisas com mais palavras – muito comuns em buscas de voz, por exemplo.

Veja, abaixo, um caso de uso apresentado pelo Google, envolvendo, por mera coincidência, o Brasil:

E o RankBrain? E os conceitos de SEO?

Bom, então quer dizer que o RankBrain não é mais levado em consideração? Na verdade, a inteligência artificial anterior do Google vai ser complementada pelo BERT. Ou seja, podem atuar em conjunto para melhor definir o ranqueamento de resultados a uma determinada pesquisa. Eles podem, ainda, se somar a outros métodos.

Ou seja, os fundamentos do SEO continuam válidos. Essa, aliás, é uma característica dos estudos de otimização para motores de busca, eles evoluem e vão agregando novidades.

Proximidade, Agilidade e Conveniência! O que esperar das lojas do futuro.

Proximidade, Agilidade e Conveniência! O que esperar das lojas do futuro.

Fazer compras online é bom, mas ir até uma loja para tomar a decisão certa, às vezes, é fundamental. Não por acaso, embora as vendas virtuais estejam em alta, mais de 40% dos clientes ainda dão preferência absoluta à possibilidade de ver e tocar uma mercadoria antes de comprá-la. Além disso, cerca de um terço dos consumidores afirma que não quer esperar — e, por isso, prefere ir até um ponto de venda físico para comprar produtos, comidas e bebidas sem demora.

O fato é que estamos diante de uma era de desejos conflitantes, com clientes demandando novos modelos de atendimento dos varejistas e comerciantes de um modo geral. De um lado, a conveniência de fazer pedidos sem sair de casa; do outro, a experiência prática das lojas. Sendo assim, é hora de pensarmos em como podemos juntar o melhor desses dois mundos, trazendo a tecnologia digital e a capacidade de personalização das lojas tradicionais para atender de modo completo as necessidades dos clientes.

Mudança de padrões

Vale destacar que estudos indicam que, em um futuro próximo, teremos consumidores mais velhos, menos ricos, que viverão em residências menores e que terão mobilidade restrita. Ao mesmo tempo, a população mais jovem e que vive em áreas urbanas prefere um estilo de vida mais sociável, rápido e baseado em experiências. Saber combinar essas tendências é, portanto, uma tarefa complexa.

Uma das estratégias adotadas pelos varejistas é a criação de lojas pequenas, localizadas em áreas densamente povoadas. Elas visam oferecer experiências mais convenientes, produtos selecionados e atendimento mais rápido e sem atritos para as frequentes visitas de consumidores para compras de dia a dia.

Físico + online

Por exemplo: a Target, uma das mais importantes lojas de departamento dos Estados Unidos, tem adotado essa estratégia, integrando as jornadas online e física dos clientes trabalhadas de forma inteligente. A rede norte-americana investiu na evolução de seu modelo de negócios, testando soluções que incluíram a implementação de lojas menores, pedidos online com opção de retirada na unidade física, entregas por drones e até uso de robôs em seus pontos de venda. Já são cerca de 100 lojas nesse modelo, com recursos que estão se tornando seu maior trunfo na concorrência com os e-commerces como a Amazon.

Podemos dizer que os consumidores de hoje procuram conceitos de varejo que ofereçam proximidade, velocidade e conveniência. O valor agregado de uma loja no formato “conveniência”, ou c-store como vem sendo chamado esse modelo, está na facilidade de acesso e na disposição de produtos selecionados, o que permite atender a demanda por agilidade cada vez mais pedida pelos clientes. Isso enfatiza a necessidade de as lojas terem operações inovadoras, que sejam eficientes, flexíveis e acessíveis – da entrada do cliente na loja até a conclusão de seu pagamento.

Fim das filas

Isso porque, para a maioria dos consumidores, fazer compras com eficiência significa gastar menos tempo na fila. Pesquisas mostram que, em média, os clientes gastam 31% do tempo em uma loja esperando na fila para pagar. Isso é muito mais do que um simples inconveniente — essa demora pode ter um grande impacto negativo nas receitas, pois não é raro que as pessoas desistam de esperar e escolham outras opções na concorrência. Quase metade dos clientes afirma que a facilidade para entrar e sair da loja determina onde eles farão suas compras. Eles também indicam que a flexibilidade nas opções de pagamento é fundamental para que eles decidam onde comprar.

Self-checkout

Um elemento chave para tornar as c-stores mais convenientes é adicionar a opção de self-checkout (SCO) ao lado da estação de pagamento tradicional. Levantamentos internacionais apontam que a combinação de SCO com self-service, por exemplo, aumenta o total gasto pelos clientes em até 30%.

O varejo avança a passos largos em direção à uma realidade cada vez mais tecnológica para os clientes e lucrativa para as empresas. Escolhendo os melhores parceiros para desenvolver soluções customizadas para as necessidades de seu negócio, é possível driblar os desafios de aumentar a velocidade e a conveniência das lojas — tornando a companhia em uma vencedora no dinâmico cenário de varejo de hoje.

Dá pra Fazer Publicidade em Marketplace?!

Dá pra Fazer Publicidade em Marketplace?!

O mercado do e-commerce é dinâmico ao extremo, novidades surgem a cada dia facilitando a vida de quem quer comprar e também de quem quer vender. Há alguns anos era mais difícil uma loja virtual ser aceita em um canal de venda. Um número restrito de pessoas estava com seus produtos à venda e hoje esse cenário se transformou, tornando-se mais democrático e com chances de boas vendas à todos que se fazerem valer de boas estratégias.

Anunciar em marketplace está se tornando um movimento natural, pois gera maior visibilidade aos produtos vendidos, deixando o anúncio posicionado nas primeiras páginas de busca.

Por isso a publicidade é algo importante, e talvez o seller não terá escolha a não ser competir em mais essa modalidade. O vendedor aproveita o tráfego que o marketplace já traz para o seu negócio, e serve como um complemento para suas estratégias de venda.

Dicas para quem começar a anunciar em publicidade nos marketlaces:

  1. Não adianta anunciar todo o seu mix de produtos, pois para isso teria que ter um orçamento muito grande, e também uma capacidade de ser exibido muitas vezes — e nem sempre é a realidade. Vale escolher os produtos, filtrar baseado em fatores como o objetivo da campanha: posicionar um produto, ou vender exatamente o que é o carro chefe da sua loja. A consequência é o produto ganhar relevância e continuar vendendo bem mesmo após a publicidade paga.
  2. É fundamental conhecer os produtos que vai anunciar e apostar na sua estratégia de venda. Também vale dar tempo para a campanha performar pois não será nos primeiros dias. Muitas vezes o vendedor acha que não está saindo do lugar, mas é importante testar a curva de vendas de cada anúncio. O anúncio que tiver mais conversão aparece mais visível para o comprador.
  3. Em uma categoria muito disputada, é importante manter o investimento em publicidade, pois caso contrário ele perde relevância. No caso de produtos novos, é importante atentar para que os títulos dos produtos sejam coerentes nas pesquisas de busca.
  4. Vale também estudar a estratégia do começo ao fim da ação de marketing. Não caia no erro de fazer os preços conforme o concorrente, pois cada loja tem a sua realidade e pode resultar prejuízos para a operação. Outra dica é mudar a precificação, colocando um percentual sobre o faturamento total do canal, para investir em marketing. Dentro de cada mês pode ir oscilando os valores para poder testar em diferentes canais.
  5. Passo a passo: sempre é um exercício de observação, em que dá certo e onde não dá resultados:
  • criar a campanha;
  • colocar pra rodar;
  • acompanhar diariamente (e depois analisar periodicamente – semanal ou quinzenal).

Também é importante se o anúncio está tendo boas impressões mas não tem cliques. Isso pode ser sinal que as fotos podem não estar chamativas o suficiente. Quando tem muitos cliques, mas tem poucas vendas, é importante ver se o frete está muito caro e direcionar o anúncio para regiões que o frete não seja tão caro.

É preciso ser atento com estratégias diferentes para cada marketplace, pois cada canal de venda, funciona de uma forma diferente.

Mudança de Plataforma: Cuidados para Uma Migração de Dados Eficiente

Mudança de Plataforma: Cuidados para Uma Migração de Dados Eficiente

Instabilidade, baixa conversão, difícil interação com o consumidor e layout engessado: esses são alguns dos principais fatores que fazem os lojistas virtuais optarem pela troca da plataforma de e-commerce.

Ou seja, essa necessidade ocorre a partir do momento em que o empreendedor entende que a plataforma utilizada não atende mais às necessidades fundamentais da loja, e isso é ocasionado, principalmente, pelo crescimento da empresa, pelas novas exigências dos consumidores e pelas novidades do mercado online que nos cercam diariamente.

Contudo, a troca de plataforma envolve diversos processos que precisam ser feitos de forma cuidadosa para um resultado positivo, como: escolha da nova plataforma, registro de domínio, migração de certificado de segurança, cuidados com SEO e o sistema de logística, testes, backup e a migração de dados, o foco deste texto.

A migração de dados corresponde a todas as informações de produtos, clientes e pedidos, ou seja, todos os dados importantes do e-commerce que serão, na troca de plataforma, transferidos para o novo serviço contratado. Por serem dados extremamente importantes para o lojista, esse processo de migração necessita de muito cuidado e atenção.

O que fazer para ter uma migração de dados eficiente?

Primeiramente, você precisa entender que qualquer atividade a ser realizada requer um bom planejamento, como base e direcionamento dos processos que serão realizados. Como a migração de dados é uma tarefa complexa, que necessita de um conhecimento profundo, é primordial planejar toda essa etapa de mudança, pois é uma ação que pode apresentar falhas.

Por essa razão, um bom planejamento deve conter todas as etapas a serem seguidas, as ferramentas que serão utilizadas e se haverá a ajuda de profissionais experientes. Além disso, é preciso definir, nesse momento, quais serão as estratégias aplicadas. É importante que você saiba que essas estratégias precisam ser sólidas, pois são elas que te farão entender, por completo, cada etapa do processo.

Por isso, o planejamento e a definição das estratégias devem responder, basicamente, aos seguintes questionamentos: como será o escopo do processo de migração? Como esse processo será executado? Quais estratégias serão utilizadas? Quais serão as tecnologias e metodologias envolvidas no processo? Quais são os riscos da migração? Atenção total aqui!

Aliada ao planejamento e à definição das estratégias, a documentação também é um processo indispensável na migração de dados. É nela que ficará detalhada, de forma bem clara, o que será ou não migrado, como ocorrerá, o motivo de escolher determinada estratégia, quais serão as condições, qual a razão da migração, quanto tempo levará todo o processo e quais são os principais riscos. Caso haja dúvidas ou contestações, é a documentação que solucionará qualquer questionamento.

Outra atitude fundamental na migração de dados é fazer um backup de todas as informações antes que a mudança de plataforma ocorra. Escolha um espaço de confiança e mantenha os dados bem guardados, mesmo após a migração ter acontecido. Nós sabemos que imprevistos podem acontecer a qualquer momento e, por essa razão, é melhor você estar bem preparado e não correr nenhum risco!

Após todos esses processos, é a hora de fazer o teste. Você precisa testar, testar e testar todas as funcionalidades da nova plataforma escolhida antes de fazer a migração. Lembre-se de que essa atitude deve fazer parte de qualquer processo de mudança e, principalmente, na troca de plataforma e migração de dados.

Agora, se a migração já foi realizada, não se esqueça de testar novamente a nova plataforma para verificar se todos os dados foram transferidos corretamente e se tudo está funcionando da melhor maneira. O principal objetivo dos testes é, justamente, evitar futuros imprevistos que podem comprometer as ações e as vendas do seu e-commerce.

Coloque em prática!

Essas são as cinco atitudes essenciais (planejamento, definição das estratégias, documentação, testes e backup) para que você tenha um processo de migração de dados eficiente. Mas a etapa mais importante de todas é a execução de cada uma delas – caso contrário, isso tudo irá te levar a lugar nenhum. Então, não se esqueça de colocá-las em prática antes de qualquer mudança, afinal, é o futuro do seu e-commerce que está em jogo, e eu tenho certeza de que você não quer prejudicar o seu empreendimento e a experiência de compra dos seus consumidores.

 

O que vender na internet em 2020: categorias e produtos para ganhar dinheiro!

O que vender na internet em 2020: categorias e produtos para ganhar dinheiro!

Vender pela internet é um negócio extremamente lucrativo. O e-commerce brasileiro faturou R$ 53,2 bilhões em 2018 –crescimento de 12% em relação ao ano anterior –, e a expectativa é que até o fim de 2019 alcance a marca de R$ 61,2 bilhões. Esses números comprovam que o comércio eletrônico é o futuro do varejo e que representa uma excelente oportunidade para as empresas do país.

No entanto, muitos lojistas ainda têm dúvidas sobre o que vender na internet para aumentar o faturamento. Essa é uma reflexão relevante, já que trabalhar com as mercadorias certas é essencial para que a loja atraia o interesse dos consumidores, se destaque dos concorrentes e seja bem-sucedida. Portanto, a dica é: fique por dentro das tendências do mercado e saiba quais são os queridinhos do público.

Preparamos este post para ajudar você na busca pelos produtos que mais vendem na internet. Descubra quais são as categorias e itens com maior potencial de venda em 2020 e inclua no estoque da sua loja as mercadorias que devem bombar este ano. Acompanhe o texto até o fim e tenha ótimas vendas!

Categorias e produtos para vender online em 2020

Baseado em dados de mercado, identificamos as categorias que têm maior potencial de negócio e que estão entre as mais representativas do setor de e-commerce e marketplaces. Os fatores que colocam tais segmentos em destaque são diversos e abrangem desde o faturamento gerado até o ticket médio dos produtos. Confira a seguir 15 categorias que estão entre as mais relevantes do comércio eletrônico brasileiro:

  1. Automotivo
  2. Bebês
  3. Beleza e Saúde
  4. Brinquedos
  5. Cama, Mesa e Banho
  6. Eletrodomésticos
  7. Esporte e Lazer
  8. Informática e Acessórios
  9. Moda e Acessórios Fashion
  10. Móveis e Decoração
  11. Perfumaria
  12. Pet Shop
  13. Relógios
  14. Telefonia
  15. Utilidades domésticas

Já a seleção de produtos com alto potencial de venda é ainda mais ampla. A diversidade de modelos e variações disponíveis aumenta o leque de opções às quais o público tem acesso e as oportunidades de negócio para os lojistas. Use como ponto de partida a lista abaixo, que reúne 34 produtos que estão entre os mais buscados dos marketplaces e que têm baixa concorrência nos canais. Veja quais itens já fazem parte do seu portfólio e comece a trabalhar com os demais agora mesmo:

  1. Babá Eletrônica Motorola MBP-36S
  2. Balança Digital 300kg Plataforma 40×50 Bivolt Bateria 81876
  3. Barco Bote Inflável Intex Seahawk 200 Kg Par De Remos Bomba
  4. Batedeira Arno Planetária Deluxe Sx8101 8vel Branca 110V
  5. Bote Inflável Caspian  480kg Com Remos Barco Até 10hp Bestway
  6. Bote Inflável Mirovia 640kg Com Remos Barco Até 15hp Bestway
  7. Cadeira de Balanço Minha Infância Sapinho Fisher-Price X7033
  8. Cafeteira Nespresso Essenza Mini C30 Branco 110V
  9. Climatizador De Ar Industrial Evaporativo Mc90 Fáciltec
  10. Compressor Ar Direto 1/2 Hp C/ Kit CMJ-210 Bivolt Ferrari
  11. Compressor De Ar 10 Pés 100 L 140 Lb Csv-10/100 Profi Schulz
  12. Compressor De Ar 2cv 10 Pés 100 Litros 110/220V-pressure-se1
  13. Compressor De Ar 2cv 10 Pés 100 Litros 110/220V-pressure-se1
  14. Cooktop a Gás 5 Bocas Atlas Agile Preto com Mega Chama
  15. Games PS4 / Xbox – FIFA 19
  16. Games PS4 / Xbox – Red Dead Redemption 2
  17. Lavadora Extratora Aspirador 1400W 35 Litros A135 Ipc Soteco
  18. Liquidificador 12 Veloc. 1000W Turbo Premium Mondial 110V
  19. Máquina De Massa Elétrica Com Cortador Cilindro Pao 110V
  20. Microondas 20 Litros Electrolux Mto30
  21. Microondas 25L Espelhado Philco
  22. Microondas 31L Espelhado Philco
  23. Parafusadeira Goodyear sem fio 12V GYDC191003 Bateria Lítio
  24. Plastificadora Laminadora Poliseladora A3/a4/a5/a6 – 60HZ
  25. Prensa Térmica Nacional Gaveta Sublimação 40×60 Cm
  26. Purificador Água Electrolux Branco Pe11b
  27. Robô Aspirador Philco Pas01c Bivolt
  28. Seladora a Vácuo DZ400T Industrial
  29. Torradeira Kitchenaid Kjc32avana 110V Vermelha (empire Red)
  30. Torre Chopp Iluminada Com Led Chopeira Cerveja Gelo Completa
  31. Ventilador B400 Turbo Preto Britânia 127V
  32. Ventilador De Mesa Mega Turbo 40 Six Britania Preto 127V
  33. Ventilador de Parede Oscilante 60cm Preto Turbão 190W Bivolt
  34. Ventilador Teto Latina VT673 3 Velocidades Preto 220V

Dicas infalíveis para turbinar as vendas em 2020

De pouco adianta ter um portfólio com os melhores produtos se o público não tem fácil acesso a eles. Por essa razão, é fundamental adotar práticas comerciais eficientes visando alcançar novos clientes, aumentar a taxa de conversão e fidelizar os consumidores. Separamos três dicas infalíveis que com certeza vão ajudar você a resolver isso e vender muito mais em 2020!

1) Cadastrar os produtos corretamente

O anúncio funciona como a vitrine da loja e geralmente é o primeiro contato do cliente com produto. Sendo assim, é preciso ter extrema dedicação no momento de cadastrar os produtos na loja virtual ou no marketplace – títulos, descrições e imagens merecem atenção extra. Além de informações corretas e claras, o lojista deve criar um anúncio persuasivo, que realmente cative o consumidor.

2) Ter preços competitivos

O preço é o fator que mais influencia a decisão de compra dos consumidores e é decisivo para o sucesso de qualquer loja. Nem sempre é possível diminuir a margem de lucro, mas aplicar preços competitivos em pelo menos alguns produtos pode fazer toda a diferença para o negócio. Pensando nisso, baseie-se nos preços praticados pela concorrência e aproveite datas especiais para oferecer bons descontos.

3) Diversificar os canais de venda

A diversificação dos canais de venda é um dos pilares do sucesso comercial. Ter uma estratégia de distribuição avançada permite que a loja conquiste alta cobertura de mercado, alcance novos públicos, consolide a marca e turbine as vendas. Se você já trabalha com e-commerce próprio, a ação mais indicada é investir também nos marketplaces, canais que têm tráfego qualificado e excelente potencial de negócio.

São Paulo facilita comércio eletrônico realizado por empresas do Simples Nacional

São Paulo facilita comércio eletrônico realizado por empresas do Simples Nacional

O Governo de São Paulo publicou no Diário Oficial de sábado (1º) a Portaria CAT nº 07/2020, que facilita ainda mais as atividades de empresas que fazem vendas em marketplace – ambiente virtual que reúne diversos lojistas.

A norma alterou a Portaria nº 31, de 18/06/2019, que trouxe condições mais favoráveis àqueles que efetuam vendas via internet, possibilitando que empresas de qualquer porte e de todo o país possam contar com a expertise das empresas logísticas instaladas no território paulista para promover suas vendas – em qualquer lugar do território nacional – junto aos seus clientes.

A principal alteração feita por meio da nova Portaria foi a permissão dada às empresas do Simples Nacional, localizadas em outros Estados, para que promovam o envio de suas mercadorias para depósito de operador logístico paulista e negociem com consumidores finais deste ou de outro Estado, sem a necessidade de inscrição no Cadastro de Contribuintes de ICMS do Estado de São Paulo.

Para tanto, exige-se que, além da empresa ser do Simples Nacional, as vendas sejam destinadas a consumidores finais pessoas físicas.

Para melhorar o controle sobre essas atividades, a nova portaria estabelece, ainda, a necessidade de credenciamento para os Operadores Logísticos que desejarem aplicar essa sistemática. Há, também, previsão de descredenciamento, caso o Operador Logístico deixe de atender as exigências contidas na portaria.

As alterações reafirmam o compromisso do Governo do Estado em promover iniciativas concretas para a promoção da economia, simplificação da legislação tributária e melhoria do ambiente de negócios para novos investimentos em São Paulo, sem abrir mão de sua responsabilidade de evitar concorrência desleal e fraudes.

5 tendências para as marcas no Instagram em 2020

5 tendências para as marcas no Instagram em 2020

Em 2019, o Instagram passou por várias mudanças relevantes. A maior delas, especialmente para marcas e influenciadores, foi a remoção das curtidas nas fotos. Outras atualizações incluem a possibilidade de interação nos Stories, novas ferramentas de e-commerce e lançamento de funcionalidades de realidade aumentada.

Veja abaixo cinco tendências e oportunidades para as marcas no Instagram em 2020:

1. Evolução para plataforma de e-commerce

O Instagram já é uma ferramenta consolidada de e-commerce há algum tempo. De acordo com a ferramenta, 130 milhões de pessoas tocam em uma publicação de compras para saber mais sobre produtos todos os meses.

Atualmente, as marcas e influenciadores usam as ferramentas de e-commerce do Instagram para levar os consumidores para seus sites e marketplaces.

Para que a experiência de consumo fique ainda mais fluida, a rede lançou em 2019 o Checkout e o Shopping for Creators, duas ferramentas que permitem a venda de produtos sem que o consumidor saia do aplicativo. As funcionalidades ainda estão restritas a algumas poucas marcas e influenciadores nos Estados Unidos, mas devem ser abertas a todos a partir deste ano.

Com o Checkout, toda a experiência de compra acontece dentro do Instagram e o consumidor não precisa mais sair do app para finalizar a compra no navegador de um produto que viu no feed ou no stories.

2. O efeito TikTok

Quando o Snapchat começou a ganhar popularidade com seus vídeos curtos que desapareciam em 24 horas, o Instagram lançou os Stories. Agora, com a ascensão do TikTok, o Instagram também busca inspiração no que a rede tem de melhor para não ficar para trás.

O primeiro passo nessa direção foi o lançamento do Instagram Cenas em mercados selecionados, incluindo o Brasil, em novembro de 2019. O Cenas é basicamente um “clone” do TikTok. Ele permite criar videoclipes de 15 segundos com música e compartilhá-los como Stories. Assim como o TikTok, os usuários podem fazer trilhas sonoras de seus Cenas com um enorme catálogo de músicas ou usar o áudio do vídeo de qualquer outra pessoa para criar um remix de seu meme ou piada.

Enquanto o TikTok ainda não oferece funcionalidades de e-commerce e de anúncios mais robustos, as marcas devem seguir investindo no Instagram na criação de conteúdos mais divertidos, numa espécie de treinamento para quando as marcas começarem a invadir o TikTok.

3. Legendas mais longas para contar uma história

Dizem que uma imagem vale mais do que mil palavras. No Instagram, esse ditado popular faz todo o sentido. Mas em 2020, quem tem uma boa história para contar na legenda do Instagram pode fisgar a atenção do consumidor.

Com o fim da exibição das curtidas nas fotos, a principal métrica para as marcas e influenciadores no Instagram é o engajamento nos comentários. Posts com legendas maiores, que contam uma história, têm apresentado resultados melhores do que posts com legendas curtas.

Além disso, uma história bem contada faz com que os seguidores passem mais tempo lendo, um dos fatores que mostram ao algoritmo que o seguidor está interessado naquele conteúdo. Consequentemente, ele vai receber mais posts daquele criador de conteúdo no futuro.

Em 2020, as marcas devem se preocupar em contar boas histórias, com narrativas impactantes e que tenham relação com o posicionamento de marca, e não apenas focar na estética da foto ou do vídeo.

4. Realidade aumentada nos Stories

Os Stories do Instagram já são um sucesso inegável, mas o volume de conteúdo publicado pelos usuários traz dificuldades para as marcas ganharem destaque. Um dos jeitos mais legais de fazer com que o conteúdo da marca ganhe destaque é por meio de filtros de realidade aumentada.

Em agosto de 2019, o Instagram liberou para todos o Spark AR, programa que permite que qualquer um crie os filtros de realidade aumentada para marcas ou para uso pessoal.

Além dos filtros engraçadinhos, a realidade aumentada pode ser uma ótima ferramenta para as empresas que vendem cosméticos, acessórios ou roupas.

5. IGTV ganha nova chance com IGTV Series

O Instagram lançou em 2018 o IGTV, uma área para vídeos longos que tinha como objetivo trazer para dentro do app os criadores de conteúdo do YouTube, ou evitar que os influenciadores do Instagram partissem para a produção de vídeos mais aprofundados no YouTube. A funcionalidade nunca decolou e sempre ficou meio largada em um cantinho do aplicativo.

Em 2019, no entanto, o Instagram resolveu dar uma repaginada no IGTV e passou a permitir vídeos horizontais e a publicação de trailers e trechos do vídeo nos Stories e no feed dos usuários. A mais recente funcionalidade, lançada em outubro de 2019, é o IGTV Series, que permite a criação de séries temáticas de vídeos.

A nova ferramenta foi projetada para oferecer aos criadores a chance de produzir conteúdos de vídeo longos em séries no IGTV, separado dos outros vídeos em seu canal. Quando o usuário assiste a um episódio da série, o próximo é automaticamente recomendado para exibição contínua.

Para as marcas, o IGTV Series é uma oportunidade para publicar webséries, tutoriais, Q&As ou conteúdos mais aprofundados que não funcionariam bem nos Stories, por exemplo.

A importância do layout ao criar o seu e-commerce

A importância do layout ao criar o seu e-commerce

De nada adianta criar um e-commerce se você não souber atrair e conquistar clientes.

O objetivo de todo empreender é lucrar e, também, acompanhar a evolução constante do mundo digital. Para isso, saber criar estratégias que te permitam evoluir a curto e a longo prazo se mostra fundamental.

Existem inúmeros fatores capazes de fornecer o progresso necessário para a sua loja virtual se manter competitiva no mercado, e o layout da sua plataforma virtual é um destes. Para alguns, um dos mais importantes.

O layout do e-commerce corresponde diretamente à mensagem que você deseja passar. Mas, além do aspecto visual – o design precisa ser atraente e dinâmico -, é importante que ele permita uma experiência de compra excepcional para o seu consumidor. Ou seja, é necessário que a imagem e a ação estejam alinhadas.

Para te ajudar a entender melhor sobre a importância do layout para o seu site, separamos algumas dicas:

1) Pesquise

Ao criar uma loja virtual, o seu primeiro grande trabalho será o de pesquisa.

É necessário pensar em todos os aspectos relacionados ao objetivo que você pretende alcançar. No artigo de hoje, a nossa meta é a criação de layout que agregue o valor necessário para transformar a loja em um negócio de sucesso. Por isso, ressalto duas pesquisas especificas para te ajudar:

Concorrentes

Pesquise os seus concorrentes, conheça seus pontos fortes e entenda, principalmente, seus pontos fracos.

Analise a forma como atuam no mercado, e como a aparência do e-commerce os ajuda a criar uma identidade própria.

Isso lhe permitirá investir recursos no lugar certo, atuando no que já agrada o consumidor e conhecendo onde precisará se dedicar para não errar.

Público-alvo

Criar uma loja virtual com layout personalizado, pensado no cliente, permite que você se comunique diretamente com o seu público-alvo.

Realize pesquisas de satisfação, leve em consideração suas queixas e use todas as informações obtidas a seu favor. Desta forma, tirar o e-commerce do papel com uma imagem precisa e certeira, que irá de encontro com as expectativas criadas pelo seu consumidor, fica muito mais fácil.

2) Plataforma e layout

A escolha de uma boa plataforma digital é imprescindível. Busque uma que seja simples e de fácil acesso. Mas, em primeiro lugar, coloque-se no lugar do seu consumidor, enxergue suas necessidades e trabalhe em cima delas.

Plataforma

Atualmente, a maior parte dos consumidores realiza suas compras por smartphones ou tablets. Assim, é extremamente necessário que sua plataforma tenha um formato responsivo.

Pesquise plataformas organizadas e que se enquadrem na mensagem que deseja enviar a seus consumidores, lembre-se que ela é quem atraíra ou não, clientes para sua loja virtual.

Layout

Procure manter um designer organizado, limpo e de fácil acesso. Invista em usabilidade. Atente-se em deixar os principais botões expostos, como “adicionar ao carrinho” e que sua navegação dentro deles seja dinâmica e fácil.

Exponha cuidadosamente suas promoções e use chamadas para ação – conhecidas como “call to action”-, que são os botões que sinalizam “compre agora” ou até mesmo “não perca mais tempo”. Quanto menos cliques forem necessários para que uma compra seja concluída, maiores serão suas chances de sucesso nas vendas.

Seja claro e objetivo. Deixe as informações de contato sempre visíveis e estrategicamente posicionadas. Disponibilize mais de uma alternativa de contato, isso agregará credibilidade a sua marca e segurança a seus consumidores.

3) Tenha bom-senso

Escolher a aparência perfeita, ao criar uma loja virtual, é essencial para o sucesso do seu negócio. Mas de nada adianta uma loja visivelmente atraente se não for proporcionalmente dinâmica e simples.

Entretanto, neste ponto da estruturação de um bom layout, entra o bom senso. Estude a combinação de cores que irá usar, ela precisa transparecer sua mensagem e destacar seu produto.

Pense com cuidado na fonte que irá utilizar, ela também precisa estar associada ao perfil da sua loja virtual. E lembre-se: pequena demais dificulta a leitura, grande demais fica desproporcional e pode assustar seus consumidores.

Trabalhe a qualidade da sua vitrine virtual, busque sempre utilizar imagens, banners, vídeos, com boa qualidade gráfica, exponha as informações visuais dos seus produtos o mais detalhadamente possível, antecipando as possíveis dúvidas que venham a surgir.

4) Segurança

Se você é novo no mercado, é normal que seus consumidores se sintam inseguros no momento de finalizar a compra e informar seus dados pessoas e de pagamento. Mas essa insegurança não deve existir.

As formas de pagamento são a parte mais importante de uma loja virtual, e é sua obrigação que essa etapa aconteça de forma segura.

Disponibilize todas as formas de pagamento que puder, incluindo boletos, e obtenha e disponibilize na sua plataforma todos os selos e logotipos de certificação de segurança que possa ter.

O que é omnichannel e como seu e-commerce pode se favorecer dele?

O que é omnichannel e como seu e-commerce pode se favorecer dele?

Quem está à frente de um e-commerce precisa entender o que é Omnichannel na prática. Este não é um conceito novo, mas a sua aplicação no Brasil ainda dá os primeiros passos.

Apesar da aparente inexperiência desse modelo de gestão de vendas, a notícia é boa para a sua empresa digital. As ferramentas capazes de adequar seu negócio a um novo perfil de consumo já existem por aqui.
E quem apostar primeiro no fim de qualquer barreira entre o online e o offline sai na frente da concorrência.

Em um mercado tão competitivo como o varejo nacional, esse é um detalhe que faz toda a diferença.

A partir de agora, você vai saber o que é omnichannel, entender o conceito e descobrir como ele pode impulsionar suas vendas.

O que é omnichannel?

Omnichannel é um conceito relacionado à integração de vendas e atendimento entre lojas físicas, virtuais e consumidores. Sua proposta consiste em oferecer a mesma experiência de consumo através de canais diversos, mas como se fossem um só.

Essa é uma nova visão, desenvolvida para adequação a uma nova cultura do cliente. Em vez de pensar no comércio físico e eletrônico como elementos separados e concorrentes, a tendência aponta para a oferta de soluções integradas.

Tudo isso é proposto de maneira a disponibilizar multicanais ao cliente, com as opções que ele deseja para escolher onde, quando e como comprar.

Como o omnichannel funciona na prática?

Ao entender o que é omnichannel, fica claro que ele faz de um aparente problema uma solução. Quer ver só?

Vamos analisar a situação de quem atua no varejo online e físico. No site, o abandono de carrinho preocupa. Na loja, o cliente observa o item desejado, mas vai embora sem nada gastar.

Você já parou para pensar que muitos daqueles que não finalizam a compra no site o fazem na loja? E que outros que saem dela sem comprar preferem concluir o processo pelo site ou aplicativo? Faça uma rápida reflexão.

Há anos é assim, ainda que não exista uma abordagem direcionada a essa realidade. Então, por que encarar como perda se o cenário aponta para uma oportunidade? Fica evidente que o desafio é aumentar a sinergia entre o online e o offline.

Você já é multicanal na oferta de meios para atender e vender, só não o faz de maneira integrada. E é isso que o omnichannel se propõe a fazer. Ele permite à sua empresa atuar em multiplataformas, ampliando as possibilidades de interação do consumidor com seus produtos e sua própria marca.

Exemplos de uma estratégia de omnichannel

OK, você já entendeu o conceito, sabe o que é omnichannel, mas não consegue visualizar ações práticas dele?

As possibilidades são inúmeras.

Veja algumas delas:

  • Sincronizar estoques entre as lojas virtual e física
  • Comprar no site e retirar na loja
  • Comprar no site, trocar e devolver na loja
  • Comprar na loja itens não disponíveis nela no momento e acompanhar o pedido pela internet.

Vale repetir: no omnichannel, online e offline são uma coisa só. E isso faz todo sentido para seu cliente.

Omnichannel: de tendência a realidade

É verdade que o varejo brasileiro ainda engatinha quando o assunto é omnichannel. Soluções integradas estão muito mais para exceção do que para regra. Mas a necessidade já está mais do que clara. Em parte, isso se revela pela própria experiência internacional.

Em 2014, a IBM realizou um estudo com mais de 30 mil consumidores em 16 países. Na oportunidade, identificou suas expectativas quanto ao Omnichannel. Muitos desejam o que ainda é raro por aqui, como preços e variedades de itens consistentes nos diferentes canais e a possibilidade de devolver na loja física um produto comprando de forma online.

Mais interessante ainda é a pesquisa divulgada em 2016 pela tradicional Revista Forbes, ela focou no público consumidor do Reino Unido, mas seus dados são como um choque de realidade que se aplica a qualquer país. Eles mostram que o Omnichannel já não é mais apenas uma tendência.

Veja alguns deles:

  • 72% já utilizaram um serviço de click & collect (pontos de retirada);
  • 49% recorreram mais a ele do que o faziam há um ano;
  • 21% fazem isso em pelo menos metade de suas compras;
  • 28% comprariam em outro varejista se o click & collect não estivesse disponível;
  • 17% não realizariam a compra nesses casos.

Ou seja, cada vez mais, as pessoas estão comprando na internet, mas retirando os produtos adquiridos nas lojas físicas. E tem mais:

  • 75% optam pelos pontos de retirada pela conveniência;
  • 74% elogiam a forma de entrega gratuita por suas compras;
  • 65% dos consumidores fazem compras adicionais nos pontos de retirada.

Imagine vender pelo site, encaminhar o consumidor à sua loja física e, lá, ele adquirir novos produtos? Mais vendas, maior faturamento e um aumento no ticket médio do cliente. Isso sem falar na satisfação dele, que também aparece de forma clara em uma estratégia de Omnichannel.

Se você ainda não integrou suas lojas online e offline, está mais do que na hora. Ou salta na frente da concorrência, ou logo vai estar atrás dela.

Tendências do E-commerce para 2020

Tendências do E-commerce para 2020

Para quem possui uma loja virtual, precisa estar atento as novidades do mercado o ano todo. Em 2019 tivemos uma alta relevância em pontos voltados ao mobile, e para 2020 não será diferente. Entender que você precisa se adaptar as mudanças é necessário para poder se destacar no mercado.

Mobile em 2020

Essa é uma tendência que podemos dizer, com certeza, que vai se concretizar. Por tanto precisa-se ter atenção em dois pontos.

Deixar seu site responsivo

Para que não perca vendas, faça uma análise do seu site na versão mobile. As pessoas não gostam de esperar por muito tempo para carregar um site. Não vai perder vendas porque seu site está demorando pra carregar né?!


Desenvolver um aplicativo

Dependendo do seu segmento de vendas, estude a possibilidade de ter um aplicativo, assim facilitando a compra e fidelizando clientes.

Vídeos estão dominando o e-commerce

Outra novidade é substituir as descrições dos produtos pelos vídeos, tornando mais atrativo e dando a melhor experiencia para o cliente, fazendo com que fique mais clara as informações dos produtos.
Mas ainda não é hora de abandonar as descrições por escrito devido ao SEO, elas ainda são a melhor forma de destacar o produto nos buscadores orgânicos do Google.

Expansão do Omnichannel

Outra prática mais nova do e-commerce é o omnichannel, uma novidade que veio muito forte em 2019 e em 2020 será mais comum nos depararmos com lojas que optarão em utilizar essa estratégia para melhorar a experiência de seus usuários.

Observar o comportamento do seu consumidor é a melhor ação para que você possa traçar uma estratégia com base nas novidades do e-commerce. Não saia adaptando todas as novidades para seu negócio, faça uma análise e por fim escolha qual o melhor caminho seguir.

Boas vendas em 2020!