Amazon Prime chega ao Brasil em seu maior lançamento já feito em um país

Amazon Prime chega ao Brasil em seu maior lançamento já feito em um país

Amazon Prime chega ao Brasil em seu maior lançamento já feito em um país— frete grátis e rápido, acesso a entretenimento e promoções exclusivas, por apenas R$9,90 ao mês

A Amazon anuncia hoje o Amazon Prime (amazon.com.br/prime) para clientes no Brasil com a maior oferta de benefícios já disponibilizada nos lançamentos do programa em 14 anos de história. Utilizado por mais de 100 milhões de membros pagantes em 18 países, o Amazon Prime é uma combinação incomparável de compras e entretenimento, tudo incluso em uma única assinatura. Ao se inscreverem no programa, membros Prime no Brasil têm acesso a frete gratuito e rápido em produtos identificados com o selo Prime, no site da Amazon, incluindo centenas de milhares de itens para bebê, cozinha, eletrônicos, entre outros, e em milhões de livros. O Amazon Prime também oferece conteúdos Amazon Originals premiados, filmes e séries de sucesso no Prime Video; e uma seleção gratuita de loots (itens virtuais extras dentro de games) e jogos no Twitch Prime. Além disso, os participantes também têm disponíveis dois novos serviços, anunciados hoje no Brasil: acesso a mais de dois milhões de músicas, sem anúncios, no Prime Music; e a um catálogo rotativo de revistas e livros digitais renomados no Prime Reading. Membros do Amazon Prime também têm ofertas exclusivas em produtos selecionados. Novos membros podem experimentar o Amazon Prime de graça, assinando o teste de 30 dias, e depois assinar por apenas R$ 9,90 por mês – ou economizar 25% com o plano anual de R$ 89,00.

“Estamos honrados em lançar o Amazon Prime no Brasil – com acesso ilimitado a frete grátis para todo o Brasil e o melhor do entretenimento por apenas R$ 9,90 por mês, ou R$ 89,00 por ano”, diz Alex Szapiro, Country Manager da Amazon no Brasil. “Só a entrega gratuita e rápida já vale a assinatura: membros Prime podem fazer quantas compras quiserem, ou precisarem, sem valor mínimo, para receber milhares de produtos e milhões de livros enviados pela Amazon, sem pagar frete, além das ofertas e promoções exclusivas para membros Prime. E se pensarmos ainda nos benefícios de entretenimento digital inclusos, como séries de TV, filmes, músicas, livros digitais e jogos, esse valor se torna ainda mais incrível”. 

Membros Prime podem aproveitar ofertas exclusivas, acesso ilimitado a filmes, séries e Amazon Originals premiados com Prime Video, além de benefícios em jogos com Twitch Prime

O que a assinatura do Amazon Prime no Brasil inclui?

  • Frete ilimitado, grátis e rápido em todo o País, sem valor mínimo de compra: membros Prime têm acesso a frete gratuito para qualquer CEP no Brasil em centenas de milhares de produtos entregues pela Amazon em mais de 20 categorias, além de milhões de livros impressos. Isso inclui produtos como: eletrônicos da Lenovo, Microsoft Xbox e Bose; vestuário e calçados da Lupo, Skechers; produtos de beleza da Taiff e Neutrogena; produtos para a casa da Buddemeyer e Britânia; para bebês da Quinny, e brinquedos da Hasbro e LEGO, entre muitos outros. Membros Prime em mais de 90 cidades brasileiras, incluindo as áreas metropolitanas de São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília e Belo Horizonte, capitais e principais cidades das regiões Sul e Sudeste, terão frete a partir de dois dias úteis gratuito e ilimitado em milhares de produtos elegíveis e sinalizados com o selo Prime. Para outras regiões, a Amazon também oferece a mesma entrega gratuita e rápida com prazos de entrega a partir de três dias úteis. Visite a página de benefícios de entrega Prime para verificar a expectativa de tempo de envio para o seu endereço em amazon.com.br/entregaprime
Membros Prime podem ouvir mais de dois milhões de músicas e centenas de estações e playlists, sem anúncios, com Prime Music, além de acesso a centenas de eBooks e revistas com Prime Reading, ambos serviços também lançados hoje.
  • Prime Video: Membros Prime podem assistir online ou baixar séries de TV de sucesso como Two and a Half Men, Chaves, Homens, Mr. Robot, This is Us e The Office, além dos premiados Amazon Originals, como Good Omens, American Gods, Hanna e séries já anunciadas como The Boys e Carnival Row, e muito aguardadas, como a segunda temporada de Tom Clancy’s Jack Ryan. Há também séries exclusivas da Amazon, como Star Trek: Picard, e locais originais, como a recém-anunciada Tudo ou Nada: Seleção Brasileira. Além disso, membros também podem curtir filmes aclamados pela crítica, incluindo Suprema, Querido Menino, Green Book, Robin Hood: A Origem, O Retorno de Ben e A Rebelião. Membros Prime podem assistir a milhares de séries e filmes a qualquer hora, em qualquer lugar, com o aplicativo Prime Video para smartphones e tablets Android e iOS, Smart TVs selecionadas, consoles de videogame, Fire TV Stick, Apple TV e Google Chromecast.
  • Prime Music: A Amazon está trazendo seu serviço de música em streaming para o Brasil com o lançamento do Prime Music. A partir de hoje, membros Amazon Prime têm acesso a mais de dois milhões de músicas, sem anúncios, podendo alternar sem limites entre músicas e fazer download para ouvir offline. Prime Music oferece ainda centenas de playlists e estações, sem nenhum custo adicional. Estão disponíveis músicas de diversos artistas nacionais e internacionais, como Caetano Veloso, Pabllo Vittar, Ludmilla, Queen e Gusttavo Lima; além de playlists selecionadas como “Prime Hits”, “Festa Sertaneja” e “Café, MPB e Trabalho”. Membros Prime podem ouvir as músicas do Prime Music com o aplicativo Amazon Music, disponível para celulares e tablets iOS e Android, Fire TV, em webplayer, ou no carro, através dos aplicativos Android Auto ou Apple CarPlay. Para ter acesso a mais músicas, clientes no Brasil poderão optar por fazer o upgrade para o Amazon Music Unlimited, o serviço premium de música em streaming da Amazon, com mais de 50 milhões de músicas, incluindo os últimos lançamentos.
  • Prime Reading: Membros Prime têm acesso a uma seleção rotativa de centenas de eBooks, incluindo títulos de ficção, não-ficção, livros em inglês e muito mais, como os best-sellers Outros Jeitos de Usar a Boca, de Rupi Kaur; a versão em inglês de Harry Potter e a Pedra Filosofal, de J.K. Rowling; Vendedor de Sonhos, de Augusto Cury; e O Melhor do Cortella, de Mario Sergio Cortella; além de revistas da Editora Abril, como Veja, Claudia e Saúde. Membros Prime podem começar a ler agora baixando os aplicativos gratuitos Kindle para Android e iOS, ou ler em qualquer dispositivo Kindle.
  • Twitch Prime: Membros Prime têm acesso a loot de jogos para aproveitar em alguns dos maiores títulos do mundo, como Apex Legends, Grand Theft Auto Online e Call of Duty: Black Ops 4, além de uma seleção gratuita de jogos a cada mês, uma assinatura em um canal da Twitch por mês, e muito mais.
  • Ofertas Exclusivas: Membros Prime também terão acesso a ofertas exclusivas. Neste primeiro mês, as promoções incluirão produtos de marcas como Nespresso, Crocs, Faber-Castell, BLACK+DECKER, Acer, HyperX, Waterpik, Columbia, Maxi-Cosi, além de dispositivos Amazon, como Fire TV Stick.

“Prime é o único programa de benefícios no Brasil que combina, em uma única assinatura, entrega gratuita ilimitada para todo o País, sem valor mínimo por pedido, e benefícios de entretenimento”, diz Jamil Ghani, Vice-Presidente Internacional de Amazon Prime na Amazon. “Amazon Prime foi criado para tornar a vida de seus membros um pouco mais simples, mais conveniente e mais divertida a cada dia. E este é o primeiro dia do Amazon Prime no Brasil: continuaremos a melhorar o programa, incluindo ainda mais opções de compra e benefícios para continuar surpreendendo consumidores”.

Para assinar o teste grátis de 30 dias e aprender mais sobre o Amazon Prime, os clientes podem acessar amazon.com.br/prime

Sobre a Amazon

A Amazon orienta-se por quatro princípios: obsessão pelo consumidor ao invés de foco na concorrência, paixão por inventar, compromisso com excelência operacional e visão de longo prazo. Avaliações de clientes, compra com 1-Clique, recomendações personalizadas, Amazon Prime, Amazon Prime Video, Fulfillment by Amazon, Amazon Web Services (AWS), Kindle Direct Publishing, Kindle, Fire tablets, FireTV, Amazon Echo e Alexa são alguns dos produtos e serviços pioneiros da Amazon.

Dicionário do E-commerce – Parte 2

Dicionário do E-commerce – Parte 2

Dando continuidade ao nosso dicionário do ecommerce, separamos mais 20 termos para vocês.
Dessa vez o dicionário está foi organizado em tópicos para facilitar seu entendimento sobre os assuntos. Confira.

CPM – Essa sigla significa “Custo por mil impressões”. Ele é utilizado como estratégia de lance no Google Ads e o foco dele é exibição de anúncios.

CRM – CRM é a redução de Customer Relationship Management, Gestão de Relacionamento com o Cliente em português. Se trata de um conjunto de estratégias, praticas, analises e contato com o cliente com o intuito de fideliza-lo.

EDI – Significa Electronic Data Interchange ou, em português, Troca de Dados Eletrônicos. Se refere a troca de informações e documentos entre duas empresas dispensando o uso de papéis, reduzindo assim o tempo para conclusão de assuntos e diminuindo gastos.

ERP – O Enterprise Resource Planing é um sistema integrado de gestão empresarial que integra os diversos setores da empresa otimizando processos ao automatizá-los.

DHTML – Dynamic Hypertext Markup Language une as tecnologias HTML, JavaScript e linguagem de apresentação para modificar uma página da web sem ter de acessar seu servidor

Vendas

Cross Border – O cross border é adotado por empresas que decidem ampliar seu leque de clientes e passam a exportar produtos.

Front Office – Front Office é todo o processo da empresa feito diretamente em contato com o cliente. Agora se tratando do ambiente de informática, front office é o processo de integração por meio de um software de CRM.

Cross selling – É uma técnica que induz o cliente a levar outros produtos que complementam àquele que já está levando.

Desenvolvimento

Design responsivo – Essa técnica de design busca estruturar o layout de forma que o site se adapte e seja apresentado ao usuário da melhor forma, independente do dispositivo que esteja sendo usado para acessá-lo.

Logística

Cross docking – É uma estratégia onde a mercadoria não é estocada, mas sim direcionada ao cliente final assim que recebida.

Drop Shipping – Uma ótima estratégia para quem não tem ou não pode pagar por um espaço para estocagem de produtos. Nesse sistema de vendas o envio é feito direto do fornecedor para o cliente final, sendo intermediado à distância pelo seller.

Marketing

Email marketing – Utiliza o e-mail para campanhas digitais no intuito de manter e/ou fortalecer a relação com os clientes.

Facebook ADS – São os anúncios publicitários divulgados dentro do próprio Facebook. A rede social inclusive disponibiliza diversas ferramentas para auxiliar o seller a gerenciar esses anúncios.

Fluxo de nutrição – Técnica de marketing que nutre os leads de informações relevantes sobre seus serviços e produtos gerando uma aproximação natural e possível conversão.

Funil de vendas – Essa técnica passa os leads por quatro peneiras de forma que quem passe pela última adquira seus produtos ou serviços. Ela segue a sequencia atenção, interesse, desejo e ação e elimina os leads a cada etapa.

Google ADS – Plataforma de anúncios do Google.

Google Analytics – Ferramenta de análise online que verifica a eficiência de ações feitas por sua empresa no ambiente virtual.

Outros termos

E-bit – A Ebit é uma empresa que verifica e avalia a relevância de empresas ao avaliar seus pontos positivos e negativos e se ela é realmente confiável.

Ecommerce – É todo o comércio feito por meio de eletrônicos sem a necessidade de interação presencial.

Gateway de pagamento – Serviço para ecommerce mantido por operadora financeira que autoriza pagamentos e transações em ambientes virtuais.

Confira aqui o primeiro post do nosso dicionário!

Dicionário do E-Commerce

Dicionário do E-Commerce

O mundo do e-commerce desenvolveu ao longo dos anos alguns comportamentos e códigos próprios. Isso pode ser facilmente notado no vocabulário de quem está inserido no meio.

Separamos então nesse dicionário alguns dos termos mais utilizados para você ficar por dentro e entender tudo que está sendo discutido. Esse será o primeiro post de uma série com quatro, nos acompanhe aqui pelo blog e nas redes sociais para estar recebendo sempre conteúdo novo e de qualidade.

Fique a seguir com os 20 primeiros termos que separamos para vocês!

Siglas

Vamos começar esse dicionário com algumas siglas. Elas geralmente se refere a termos em inglês e podem ter variações no português.

API – API é uma sigla para Application Programming Interface (Interface de programação de aplicativos). As APIs servem como guias para o acesso de aplicativos, softwares ou plataformas.
Já se tratando de marketplaces as APIs servem aos sellers integrando sua loja aos marketplaces de forma automática.

B2B – É uma redução de “business to business”. Esse termo se refere à prática de comércio entre empresas.

B2C – Redução de “business to consumer”. Se refere à prática de comércio onde o a empresa vende diretamente para o consumidor final.

CAC – CAC ou Custo de Aquisição de Clientes é uma métrica que calcula a soma dos investimentos em marketing e vendas dividido pela quantia de clientes conquistados naquele período.

CPA – Sigla para Custo por Aquisição. Essa métrica busca entender o custo para que ocorra uma venda em seu e-commerce após o redirecionamento por uma campanha patrocinada.

CPC – Sigla para Custo por Clique. É utilizado nos lances de leilão do google e define o custo de cada clique realizado em campanha patrocinada.

Outros termos

Nessa segunda parte do dicionário vamos listar alguns termos que aparecem em diversos campos como marketing, vendas e estratégias.

Audiência – Quando falamos de audiência nos referimos ao público alvo da empresa. É de extrema importância que o seller conheça sua audiência para poder trabalhar a comunicação e outros pontos de sua empresa para que atenda da melhor forma seus clientes.

Back office – Faz parte do back office todo o processo de trabalho que não está em contato direto com o cliente, também é chamado de retaguarda.

Behavorial Target – O behavorial target é uma estratégia que mapeia o comportamento de possíveis leads no ambiente virtual afim de entender como atingi-los da melhor forma.

Big Data – O Big Data é um grande volume de dados estruturados e não estruturados que são gerados o tempo todo. As empresas podem se aproveitar do big data para cruzar informações de diversas fontes e ter insights com mais agilidade e precisão.

Blog – Blogs são páginas da web que possuem caráter informativo. São uma ótima opção para as marcas que não querem apenas vender, mas também criar uma proximidade com o cliente e agregar valor.

Bounce Rate – Chamamos de “Taxa de rejeição” em Português. Se refere ao número de usuários que acessam a página e desistem de navegar nela.

Boxing day – Essa ação é geralmente feita no dia 26 de Dezembro para liquidar os produtos que não foram vendidos no Natal.

Busca orgânica – Se dá esse nome à chegada do usuário ao seu site por caminhos que não foram patrocinados. Ela é gratuita e não gera custo para o seller, deve-se adotar estratégias que favoreçam esse tipo de busca.

Call to action – São textos que convidam o leitor a realizar determinada ação. Elas guiam o usuário a realizar o próximo passo no processo que ele realiza no site.

Chargeback – Recebe esse nome o processo efetuado quando um comprador cancela sua compra com pagamento feito via cartão de crédito.

Chatbot – São robôs que interagem via chat com pessoas. Funcionam de forma automática e inteligente auxiliando no contato com clientes ajudando em situações simples, filtrando solicitações e até vendendo.

Checkout – O checkout ocorre quando o cliente passa do carrinho de compras para a página de pagamento.

Click Stream – Essa técnica analisa o comportamento dos usuários em seu site e para entender qual caminho eles percorrem.

Conversão – Conversões são ações desejadas concluídas pelos usuários. O que é convertido varia de acordo com a estratégia utilizada. Podem ser vendas, ligações, solicitações de orçamento, preenchimento de formulários etc.

Gostou do conteúdo? Nos conte o que você quer ver por aqui e nos acompanhe para ter acesso aos próximos posts do dicionário do e-commerce.

Certificado de segurança SSL

Certificado de segurança SSL

SSL é uma sigla para Secure Sockets Layer, camada segura de soquetes em tradução livre. Trata-se de um protocolo de segurança para troca de informações na Internet. Leia o texto e entenda melhor o que é esse certificado e como funciona.

O que é um certificado SSL?

Um certificado SSL é uma ferramenta que busca a segurança para a troca de informações entre o visitante e o servidor que hospeda o site. Ele impede que pessoas mal-intencionadas roubem informações dos outros usuários, como senhas de cartões e dados de acesso de diferentes contas.

Como o SSL funciona?

Quando entramos em um site enviamos uma solicitação para o servidor, essa solicitação, bem como sua resposta, é criptografada pelo SSL de forma que todas suas ações e informações não possam ser interpretadas por terceiros.

Por que adquirir um certificado?

O certificado SSL não somente garante a segurança do site e de seus usuários como também transmite a sensação dessa segurança para os usuários e ainda pode melhorar a posição do seu site nos buscadores.
A ausência desse certificado no seu site pode até mesmo acabar repelindo usuários e afetar negativamente seu negócio. Sem ele, ao entrar no site o usuário receberá uma mensagem de segurança alertando que o site não é seguro.

Como ter

O uso do SSL como medida de segurança tem se popularizado, crescido e se tornado mais fácil conseguir o seu.
Algumas plataformas de hospedagem até mesmo oferecem o certificado de forma gratuita quando têm os serviços contratados. Porém em parte delas é necessário ativá-lo.
Agora, se sua plataforma de hospedagem atual não oferece certificado SSL e você não quer migrar para uma que já ofereça gratuitamente, você pode adquirir o certificado a parte para seu site.
Nesse caso o primeiro passo que você deve dar é gerar uma solicitação de assinatura de certificado (CSR, na sigla em inglês). A solicitação deve conter:

  • Common Name (server domain name) – A URL onde o certificado será utilizado
  • Organization – Nome oficial da empresa (como no CNPJ) *
  • Organizational Unit – Setor de sua empresa *
  • City or Locality – Nome de sua cidade
  • State or Province – Nome de seu estado (deve ser escrito por extenso)
  • Country – Seu país (deve ser escrito com apenas dois dígitos, como BR para Brasil)

Após ter seu CSR pronto, é hora de buscar o serviço que melhor atenda suas necessidades e realidade. Já tendo solicitado e pago o certificado, confirme com o serviço sua validação. O último passo é instalar o certificado em seu site, para isso é necessário entender as especificações de sua plataforma de hospedagem já que esse processo pode variar entre as diversas plataformas.
Por fim é possível também instalar um selo de segurança para mostrar a seus usuários que o site é protegido.

*Se você não possuir CNPJ, preencha esse campo com seu nome completo.

Como utilizar os Marketplaces como Canal de Venda para sua Loja?

Como utilizar os Marketplaces como Canal de Venda para sua Loja?

O que é?

Um Marketplace é um espaço que une em um só local diversos vendedores e compradores. A plataforma é responsável por toda a intermediação e ao vendedor cabe somente a responsabilidade de emitir a nota fiscal e o produto.

Motivos para usar um marketplace

Existem algumas vantagens que o Marketplace te proporciona e podem aumentar o fluxo de vendas de seu e-commerce.

Ao apostar nessa estratégia você encontrará maior visibilidade. Esses sites recebem milhões de visitas diárias e sua marca estará lá estampada junto aos seus produtos ganhando confiança advinda do nome do site. Então saiba bem onde colocar seus produtos, a maior plataforma do ramo é o Mercado Livre, o site se tornou referência e é pressuposto que as lojas ali contidas sejam de confiança.

Consequentemente o volume de vendas irá aumentar, assim como seu rol de novos clientes e possíveis novos clientes.

Esses sites também são bem indexados, logo sua loja terá mais chances de se encontrada, assim você subirá no ranking e aumentará inclusive o número de suas vendas diretas.

Sendo assim você irá economizar já que com tantas marcas em um só espaço reduzem o custo de publicidade

Como vender em marketplaces?

Cada MarketPlace terá suas exigências próprias para validar seu registro.
Listamos as mais comuns:

Registro de Parceiro – Geralmente esse registro é feito no próprio site. Nessa etapa é feita uma coleta de informações cadastrais como CNPJ e especificações sobre seu negócio.

Documentação – A documentação exigida também irá variar entre os marketplaces, porém essas são as mais usuais:

  • Alvarás de funcionamento (do local que disponibilizará os produtos)
  • Certidão de distribuição de ações e execuções cíveis e criminais da Justiça Federal
  • Certidão dos Distribuidores Cíveis do Estado sede
  • Certidão Negativa de Débitos Previdenciários
  • Certidão Negativa de Falência e Concordata
  • Certidão simplificada do SINREM
  • Certidões dos Distribuidores Criminais do Estado sede
  • CNDT
  • CNPJ
  • Comprovante de Inscrição Estadual
  • Consulta Pública ao Cadastro do Estado
  • Declaração do regime de tributação
  • Estatuto Social atualizado

Aprovação

Tendo feito o cadastro corretamente e de forma completa, basta esperar a resposta do marketplace após o envio do formulário.
Cada marketplace tem suas métricas e métodos de avaliação e aceite.

Fui aprovado! E agora…?

Agora será necessário cadastrar seus produtos na plataforma. Se você possui uma loja virtual, é uma boa ideia integrar o e-commerce a ela.

Vale lembrar que os marketplaces possuem regras e diretrizes que vão desde estabelecer um prazo máximo para envios após a venda até o bloqueio de determinados produtos que sejam considerados impróprios pela plataforma.

Conheça bem onde está vendendo para vender mais e melhor!

Planejamento de Mídias Sociais Funciona?

Planejamento de Mídias Sociais Funciona?

Muitas vezes a importância do planejamento de mídias sociais é negligenciada, essa estratégia porém proporciona ao empreendedor a oportunidade de visualizar quais são os melhores meios e plataformas para divulgar campanhas e ter retorno.

O que é?

O planejamento de mídias é o plano estratégico que define quais canais de comunicação serão utilizados durante as campanhas.
A ideia é se adaptar aos novos moldes de mercado onde, muitas vezes, os perfis em redes sociais das empresas são muito mais acessados que os sites.

Como fazer?

Seu planejamento de mídias deve pesquisar o campo antes de se firmar, cada plataforma tem características próprias, então uma estratégia montada para o Twitter não será efetiva no Instagram e vice-versa.
Separamos então algumas dicas para você acertar na hora de iniciar essa ação. Confira:

Pesquise

Comece estabelecendo um objetivo e faça uma análise SWOT. Tendo firmado seu objetivo e os meios para atingi-lo o resto do caminho se torna bem mais fácil.

  • Objetivo – Defina seu objetivo de forma realista e ambiciosa, faça uma análise minuciosa, crie um plano direto e estabeleça um prazo
  • Análise SWOT – A análise SWOT (ou FOFA, em português) ajuda a encontrar pontos positivos e negativos em sua empresa, isso lhe permite fazer ajustes para ser mais efetivo e errar minimamente
    1. Strenghts (Forças) – Quais são as vantagens de sua empresa sobre o concorrente? Em que ela é realmente boa?
    2.Weaknesses (Fraquezas) – Quais são os pontos fracos de sua empresa?
    3. Opportunities (Oportunidades) – Quais características externas favorecem meu negócio?
    4. Threats (Ameaças) – Quais fatores externos influenciam negativamente o meu negócio?
  • Público – Você conhece seu público? É de extrema importância conhecer qual é o modelo dele e saber quais mídias sociais eles mais usam e como se comportam na internet. Pode ser interessante criar pesquisas e uma persona.

Plano de ação

Agora começa realmente o planejamento de mídias sociais, aqui é importante você decidir o conteúdo que será veiculado, montar um cronograma e decidir como isso tudo será administrado. Comece a estudar os canais que pretende utilizar para divulgação das campanhas, com tudo isso completo é hora de colocar em prática.

  • Conteúdo – Aqui reside a atratividade de seu negócio. Todo o conteúdo veiculado deve impactar positivamente seu público gerando interesse, criando empatia e informando. A linguagem deve ser compatível com o meio e o uso de ferramentas específicas, como as hashtags no Instagram, deve ser explorado.
  • Cronograma – Montar um cronograma ajudará a administrar as publicações. Aqui deve se considerar as análises de engajamento normalmente fornecidas pela própria rede social, afinal, é importante postar quando há maior fluxo de pessoas, isso permitirá que seu material tenha mais visualizações e ações.
    Também é uma boa considerar fatores externos que possam auxiliar suas vendas, como feriados e datas sazonais.
  • Administração – O administrador da campanha deve manter um plano a ser seguido, um plano para eventual gestão de crise, atenção minuciosa aos relatórios da ação e capacidade de adaptabilidade. Para melhore resultados é recomendado a contratação de uma equipe de marketing capacitada.

Execução

Aqui o planejamento finalmente sai da teoria e vai para a prática. Todo o conteúdo planejado passa a ser postado seguindo o cronograma e a análise periódica é feita.
É possível que surjam empecilhos no caminho, nesse caso a adaptabilidade do administrador é colocada a prova e os moldes de gestão atualizados.


Por que devo fazer um planejamento de mídias sociais?

Além de ajudar a emplacar o nome de seu negócio, esse tipo de iniciativa cria proximidade com seus clientes e lhe permite adaptar suas estratégias para melhor atendê-los e fidelizá-los.